Os doentes em segundo lugar

António Araújo – Presidente da Secção Regional Norte da Ordem dos Médicos

Os doentes em segundo lugar

Artigo publicado a 17 de Julho de 2017 no insónias.pt

Calma, por favor não me atirem já pedras que eu passo a explicar. Actualmente, quando se aborda o funcionamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) é politicamente correcto e moda afirmar-se que o doente está em primeiro lugar, que devemos centrar a prestação dos cuidados de saúde no doente e que este deve ser o foco, quase exclusivo, do sistema de saúde. Pois… isto até devia ser verdade, mas o facto é que não se verifica porque não se reúnem as condições de base para que se atinja este desiderato.

Numa empresa, com uma cadeia de produção semi-automatizada, importa apenas colocar nos locais correctos os materiais devidos e esperar que o funcionário, independentemente do seu humor, de se sentir mais ou menos realizado profissionalmente, cumpra o seu dever de carregar no botão certo, aparafusar ou colar os materiais na medida e no tempo que lhe foi destinado/programado fazer. O acto do profissional é, praticamente e também ele, semi-automatizado e dá pouco espaço a inovação ou a falhas.

Na Medicina o panorama é completamente inverso. “A Medicina é uma arte”, porque depende do estabelecimento de uma relação de confiança e de empatia entre o doente e o seu médico. Cada acto médico requer um tempo que é, por vezes, difícil contabilizar porque depende de pessoas situadas em ambos os extremos da relação e está, assim, sujeito a variações grandes condicionadas pelas expectativas que cada um tem, pela forma como se interrelacionam e comunicam, pela necessidade de se recorrer a meios complementares de diagnóstico e da sua disponibilidade, pela obrigação de se buscar uma solução para cada problema apresentado, mesmo que não exista uma solução ideal, pela necessidade de se buscar consensos nas melhores soluções para esses problemas, e por mais uma série infindável de variáveis que encheriam várias páginas de escrita.

Por todos estes motivos, é fundamental ter profissionais de saúde motivados para o trabalho, que encarem cada dia como um desafio que vale a pena ser vivido, que sintam que estão a realizar-se profissionalmente, que sintam que a profissão que exercem corresponde, dentro do que é possí­vel, aos sonhos que tinham quando a escolheram, que tenham a garantia de que o seu trabalho faz a diferença e que é reconhecido pelo doente, pela tutela e pela sociedade. São com profissionais de saúde motivados e profissionalmente satisfeitos se conseguem obter os melhores resultados e, consequentemente, nessa altura, colocar o doente no lugar cimeiro das preocupações.

Por outro lado,é forçoso fornecer os instrumentos necessários, sejam medicamentos ou dispositivos médicos, aos profissionais de saúde para que possam adequar, da melhor forma, os actos a praticar à situação patológica. Não é possí­vel esperar que se obtenham bons resultados quando se cativam sistematicamente verbas para lá do razoável, sub-financiando um sistema já de si carenciado. Se não se consegue fornecer matéria prima aos profissionais, não é expectável que o resultado final seja bom. Se não se financia adequadamente as unidades de saúde e se, a este subfinanciamento, ainda acresce a retirada de toda e qualquer da sua autonomia para que elas possam, por exemplo e dentro da legalidade, contratar os profissionais que necessitam, negociar contratos de aquisição de bens e serviços pelos preços mais baixos, negociar contratos de leasing para a compra de material pesado que se torna obsoleto num tempo relativamente curto, não se está a colocar o doente em primeiro lugar. Estamos a criar todas as condições para que os conselhos de administração ou direcções dos estabelecimentos do SNS estejam sobretudo preocupados em subsistir, zelando principalmente pelo pagamento dos ordenados dos seus funcionários, das contas da água, da luz e do telefone, em vez de se preocuparem com investimentos no desenvolvimento das suas unidades de saúde, na remodelação do seu parque informático ou imagiológico, no desenvolvimento estratégico de serviços que venham responder às diferentes necessidades dos seus utentes. Assim, também neste aspecto, os doentes virão depois.

Portugal precisa de honestidade, precisa que se fale claro –  só se coloca o doente em primeiro lugar – se tivermos profissionais de saúde motivados e realizados, em unidades de saúde com orçamentos adequados aos cuidados que têm que prestar. Até lá, os doentes vão estar sempre em segundo lugar.

António Araújo

Presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos

 

 

Deixe uma resposta